A primeira Jornada de Inovação em Jornalismo aconteceu nos dias 18 e 19 de outubro na Universidade Federal de Santa Catarina. Profissionais do mercado e pesquisadores de comunicação se reuniram para conversar sobre novas estratégias e modelos. E a gente da All Press Comunicação Integrada esteve lá para cobrir o evento!

 

A JIJ foi organizada pelo Grupo Hipermídia e Linguagem/CNPq e o Núcleo de estudos e produção Hipermídia Aplicados ao Jornalismo (Nephi-Jor). A programação teve mesas sobre cenário, pesquisa e formatos de inovação, além de oficinas. No fim, todo o público presente foi convidado para uma oficina de prototipação de ideias inovadoras – e a gente, claro, não ficou de fora

 

Inovação no conteúdo

 

Para quem trabalha com produção de conteúdo e assessoria de imprensa, os dias de JIJ foram muito gratificantes e transbordaram inovação. Novos formatos e gêneros foram abordados. Entre eles, vídeo em 360º, Jornalismo Imersivo, Dados – a Neoway, empresa de Big Data, participou do evento – e análise de redes sociais.

 

Estar presente num evento que debate Jornalismo ajuda a nos adiantarmos quanto a tendências do mercado e garantir uma assessoria de imprensa eficiente. Por exemplo, o Fábio Bispo, do grupo RIC, reforçou que a Internet empodera os jornalistas e que a informação que for trazida tem que ser checável – ainda mais em tempos de fake news.

 

Adriano Araldi, da NSC Comunicação, falou que inovação não tem como fugir, de alguma forma, de tecnologia e que 66% da audiência do NSC Total é mobile. Ao planejar um conteúdo para ser enviado a jornalistas é preciso se perguntar se, por mais que vá ser publicado no impresso em algum momento, a maioria das pessoas não vai ter acesso via smartphone. Linguagem e formato, por exemplo, são diferenciados.

 

Um exemplo de inovação em conteúdo trazido pelo Araldi foi o Cafezão, um programa nascido na rádio Atlântida de Blumenau. Entre 7h e 9h da manhã, além de música, o programa também traz informações, num formato pensado para o público jovem. O sucesso foi tamanho que há uma versão para as cidades de Chapecó, Criciúma e Florianópolis.

 

O evento também contou com representantes de empresas do setor e start-ups de jornalismo, que fizeram palestras, no segundo dia, contando um pouco sobre as próprias experiências.

 

Foi possível conhecer mais sobre o jornalismo de origem ativista do Coletivo Maruim, a informação produzida sob uma perspectiva de gênero do portal Catarinas e do uso de Newsletters por parte do Farol.

 

Todas essas iniciativas geram conteúdo diferente, relevante e criativo, mas o que notei é que, cada uma a seu nível, enfrentam dificuldade de financiamento. Como Breno Costa, do Brio, comentou, a grande inovação necessária é no modelo de negócio. Gerar lucro, nesse caso, é essencial.

 

E pensar como transformar uma ideia inovadora em algo que dá dinheiro foi algo que discutimos no final do evento, durante a…

Oficina de prototipação de Ideias Inovadoras

Emilia Chagas, @Braun, Marcelos Barcelos (organizou a oficina), Mariane Ventura, @Edu e Luiza Guerreiro

Ao final da tarde, a gente da All Press (no caso, o @Braun e o @Edu) formou um grupo com a Mariane Ventura, doutoranda em Jornalismo da UFSC e tivemos como mentoras a Emilia Chagas, CEO da Contentools e a Luiza Guerreiro, produtora da Plot Kids.

 

Tínhamos a missão de reconhecer problemas no mercado de comunicação, e pensar como resolvê-los e o que é necessário para tanto. Tudo sob um viés de mercado, ou seja, como tornar uma ideia em um produto.

 

Esse tipo de dinâmica costuma durar, pelo menos, um final de semana – os famosos Startup Weekends. Nós tivemos apenas 3 horas. Mas não prejudicou em nada a experiência. Foi possível aprender bastante sobre como “propor” uma startup.

 

No final, houve um pitching em que o nosso grupo ficou em segundo lugar, sendo que a banca ainda comentou que era a ideia mais inovadora!

 

Foram dois dias de muito aprendizado, que, honestamente, deixam saudades. Discutir inovação, além de necessário, é sempre muito inspirador. Voltamos para casa cheios de ideias para aplicarmos em nossos serviços!

 

E se você se interessa por conteúdo sobre inovação ou mercado de comunicação, fique ligado no nosso blog! Sempre tem conteúdo excelente. Por exemplo, sabia que o futuro dos games e dos planos de comunicação estão no Mobile?

Um dos singelos objetivos destes posts semanais é dar munição para que você se prepare para mudanças que estão por vir no mercado da comunicação. Independente, claro, de você trabalhar no setor ou não, porque, afinal de contas, é um consumidor de mídia e de conteúdo.

 

Essa semana, além de ações criativas em diversos setores, dois tópicos são bem importantes. A Globo está indo com tudo para unificar o seu conteúdo e se precaver contra um mercado em que empresas tradicionais estão caindo. Já o Jornalismo, ainda com dificuldade em fazer dinheiro no séc. XXI, pode ter no grande mercado da Apple uma saída. E, sempre dizemos, apostar em conteúdo dá dinheiro, mas a MoviePass tá numa maré de azar que nem isso tem dado certo…

 

Tempo Estimado de Leitura: 7 minutos

 

 

1. Ações Criativas:

 

 

2. Uma Só: Grupo Globo lançou o ousado projeto “Uma Só Globo” que representa a união de TV Globo, Globosat, Globo.com, DGCORP (Diretoria de Gestão Corporativa) e Som Livre em uma única empresa. Para ajudar nesse processo, foi contratada a Accenture, líder mundial em consultoria de tecnologia e transformação empresarial. Interessante esse ímpeto da empresa dos Marinho. Unir várias frentes numa só pode significar várias coisas – esperemos que não um enxugamento de redação. Vou dar uma especulada como exercício de imaginação. Talvez você possa assinar a “Uma Só Globo” e ter acesso a todos os conteúdos dos canais da Globo (da transmissão de um jogo de futebol pelo SporTV a um reality do Multishow), do on-line (como o GShow) numa grande plataforma de streaming que já englobe também o conteúdo presente na GloboPlay. E, de quebra, ainda ter acesso a um streaming de músicas próprio deles. Tipo um “Spotify da Som Livre”, que contaria com gravações dos especiais do Roberto Carlos até aos shows do The Voice. Bom, independente de eu ter acertado alguma coisa ou errado todas, uma coisa é fato: A Globo percebeu a mudança no mercado e no consumo de mídia e conteúdo. E tá querendo se salvar antes que seja tarde.

 

++ Multishow e VIU Hub (unidade de negócios digitais da Globosat) lançaram o Noite Selvagem, projeto multimídia com a Catuaba Selvagem.

 

++ E o PlayPlus, plataforma de streaming da Record Plus, anunciou parceria com a Disney. Vai disponibilizar para seus assinantes os canais Disney Channel, Disney Junior e Disney XD.

 

++ Do AdNews, a importância do live streaming para a sua marca.

 

++ “O sistema de futebol no Brasil dificulta avanços no streaming” disse Diogo Kotscho, VP de comunicação do Orlando City.

 

3. Redes, Apps e Tech:

 

 

4. Momento crítico: Triste, porém, mais uma vez, venho falar uma coisa ruim sobre a MoviePass. Basicamente, a empresa é responsável pelo filme “Gotti”, um longa sobre a vida do mafioso John Gotti estrelado por John Travolta. Esse filme conseguiu ter uma review de 0% no Rotten Tomatoes e, além de odiado pela crítica, foi um fracasso de bilheteria. Revolts por essa situação, o marketing do filme fez um anúncio em que chamava os críticos de “trolls atrás de um teclado”. Não parou por aí. Também começaram a aparecer avaliações positivas do filme por parte de contas recém criadas e que não avaliaram mais nada – ou seja, falsas. A situação rendeu até um Honest Trailer.

 

++ Teaser de Rocketman, biografia do Elton John.

 

5. Jornalismo: Não é sobre a área em si, mas sobre a Apple News e como ela pode mudar o setor. Durante muito tempo, sabemos, a aposta principal de vários veículos para distribuição de conteúdo era – e ainda é – por meio de redes sociais. Em especial, com destaque, o Facebook. Porém, com a mudança de algoritmos constante na rede do Zuckerberg e, claro, todo o rolo das fake news em 2012 e o vazamento de dados dos usuários, já não é mais uma aposta confiável por parte dos editores – a desconfiança dos leitores é grande. Mas, ao que parece, pode haver uma nova ferramenta para ficar de olho: o Apple News, um agregador de notícias e reportagens que vem nos iPhones. Diferentemente da rede social, em que notícias acabam, muitas vezes, tendo o mesmo destaque e relevância para o usuários independente de serem sobre presidentes ou ex-BBBs, a curadoria do Apple News é feita por editores e jornalistas. Solução tradicional, sim, porém eficiente para impedir a divulgação de notícias falsas e romper a bolha em que o Facebook é apontado como responsável por prender seus usuários. Por sinal, alguns veículos já têm registrado aumento de visualizações por conta do Apple News. Um problema, porém: Isso não tem gerado dinheiro para os veículos. A ferramenta impõe certos limites para a exibição de anúncios e, digamos, sem anunciantes, é difícil manter um veículo jornalístico hoje em dia. Gostaria de trazer alguma informação otimista, mas, por hoje, é só isso mesmo.

 

++ Abril foi sentenciada a recontratar funcionários demitidos e já avisou que vai recorrer.

++ 1.600 homens assinaram anúncio no New York Times apoiando Christine Blaise Ford.

 

+++ A mega produção que é o novo clipe do Criolo.

+++ A rivalidade entre Sephora e Ulta, uma bilionária batalha entre marcas de maquiagem. Vídeo em inglês.

+++ Pra você passar vontade: As novas sobremesas do McDonald’s. Pena que só tem na Malásia.

Depois de algumas semaninhas ausente, esse post volta a abrilhantar o seu feed e o blog da All Press. Do Pop ao Cult, do impresso ao online e do mais inovador até o ainda mais inovador… As notícias que você não pode ficar sem saber estão aqui!

 

Tempo estimado de leitura: 6 minutos

 

1. Conteúdo: Do pop ao cult, o que pode servir para inspirar o seu trabalho – ou só espairecer mesmo.

 

2. Games: A Telltale Games, responsável por jogos como The Walking Dead e The Wolf Among Us, demitiu quase toda a equipe e está próxima de pedir falência. É uma pena. A empresa foi responsável por mudar o storytelling dentro da indústria.

 

++ Ah, a nostalgia. A Sony anunciou o lançamento do PlayStation Classic, que é uma versão comemorativa dos 25 anos do PS1.  Ele vai sair em versão mini e com 20 jogos na memória. Importante dizer que a Nintendo já havia relançado o Super Nintendo.

 

++ Angry Birds ganha versão em realidade aumentada.

 

3. Redes, Apps e Techs:

 

 

 

4. Time: Uma das mais tradicionais revistas do mundo, a Time foi vendida por 190 milhões de dólares para Marc Benioff, presidente e um dos fundadores da empresa de tecnologia Salesforce. Outras revistas, como a Fortune, Money e a Sports Illustrated podem ser as próximas a serem vendidas pelo grupo de mídia Meredith, que passará a focar em produtos voltados ao público feminino. Esse preço de venda é um claro sinal da crise financeira do Jornalismo –  e que ninguém mais lê impresso. Isso porque, há oito meses, a Time Inc. havia sido comprada por 2,8 bilhões de dólares.

 

++ The Village Voice, principal jornal alternativo de Nova York, fechou as portas. Resta apenas uma equipe para digitalizar o arquivo.

 

 

+++ Nove eletrônicos e serviços de sucesso que foram substituídos com o tempo.

+++ Universal Music Brasil promoveu encontro que uniu música, marketing e tecnologia.

+++ Arte ajuda jovem a lidar com doença vinda do uso excessivo de computador.

O post dessa semana está um pouco mais curto do que o habitual. Depois de algumas edições falando muito de assuntos um pouco chatos porém necessários – tipo, combate a Fake News, segurança nas redes e futuro do Streaming -, vamos pegar um pouco mais leve nessa.

Esse post tem, de volta, as novis de ações criativas – estava com saudades? Também tem um apanhado das redes, pesquisa sobre conteúdo e, inevitavelmente, um pouco de assuntos não muito legais.

(Só para aproveitar, a melhor música desse álbum da Christina Aguilera)

 

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

 

 

1. Ações Criativas:

++ Justiça confirma multa do Procon ao Habib’s por publicidade abusiva.

 

2. Redes e Apps:

 

3. Revistas: Abril já tinha fechado revistas e demitido muitos funcionários, mas se isso ainda não era sinal de crise suficiente, pediram recuperação judicial e estão sem pagar os ex-funcionários. Se serve algum tipo de consolo para a família Civita, a Editora Escala também encerrou revistas.

++ Não é mídia impressa, mas algo para mostrar que os veículos tradicionais não estão se acabando (necessariamente). O SBT lançou a campanha #tbtSBT para que resgatar programas, apresentadores e personagens que marcaram sua história.

 

 

4. Assuntos um pouco chatos, porém necessários, não poderiam ficar de fora: Trump também acha que as vozes conservadoras estão sendo caladas pelas redes sociais. Inclusive, fez o habitual, e disse isso no Twitter. Jack Dorsey, CEO da rede, concordou que existe, por parte da maioria dos funcionários, uma certa inclinação para a esquerda, mas que isso não influencia nas atitudes tomadas. Aqui pelo Brasil, foi aprovada a lei de proteção de dados pessoais, inspirada na GDPR.

 

5. Conteúdo: A gente sempre fala que as fórmulas estão acabando e que temos que ser criativos. Cambridge, no entanto, fez um estudo e chegou a conclusão de que existe fórmula a perfeita de roteiro para filmes. É a “homem no buraco”, que consiste em uma queda seguida por uma ascensão. Os pesquisadores incluem “O Poderoso Chefão” nessa categoria. Outra universidade que está com uma pesquisa interessante é a USP, que abriu um curso sobre Harry Potter. O objetivo das aulas é “propiciar o contato entre leitores de Harry Potter, tanto na academia quanto fora dela, para discussão da obra”.

 

+++ Artistas tentam retratar a angústia da depressão.

+++ Brasil é o segundo maior país em buscas sobre beleza.

+++ Melhor vídeo que você vai ver hoje: Homenagem de Drag Queens no Theatro Municipal para os 60 anos da Madonna.

Thanos já estava ameaçando vir desde 2012. E agora, veio. E como veio! O longa estreou semana passada e já quebrou vários recordes. Independente de você ter apreço ou não pelos Vingadores ou por super-heróis, é o assunto que vai dominar as conversas sobre cultura pop, comunicação e, facilmente, estamos falando do maior evento cinematográfico do ano – talvez, da década.

Porém, mais do que Vingadores, o post hoje é para falar sobre conteúdo e consumo. Isso porque, além do filme do Marvel, outro assunto que vai dominar boa parte do que segue abaixo é Netflix (e streaming, como um todo). O sucesso desta plataforma e desse filme claramente tem uma mensagem a ser transmitida. E, quanto antes a compreendermos, melhor.

Tempo estimado de leitura: 9 minutos.

 

super-herois-vingadores-marvel
O famoso grupo de super-heróis da Marvel Comics.Vingadores: Guerra Infinita
  1. Se você não se importa nada, mas nada mesmo, com blockbusters ou quadrinhos, provavelmente, esse filme não vai ter relevância nenhuma para você. Se você se importa, já viu ou está planejando ver nos próximos dias. Independente de qual dos dois perfis seja o seu, temos que reconhecer: É O MAIOR BLOCKBUSTER DE TODOS OS TEMPOS. É o ápice de uma franquia que se iniciou há 10 anos e conta com 19 filmes. É a maior bilheteria de um sábado e maior bilheteria em um final de semana de estreia nos Estados Unidos, maior estreia mundial da história do cinema e já arrecadou 630 milhões de dólares na bilheteria (já fez mais dinheiro que Logan ou o último Transformers). No total, a franquia do Universo Marvel já arrecadou 15,3 bilhões de dólares na bilheteria mundial. Ou seja, há algo a ser analisado. A forma de consumir filmes (ou conteúdo, se preferir) parece ter mudado. O co-diretor do filme, Joe Russo, disse: “Acho que você pode olhar o Universo Marvel como um grande experimento narrativo. Nunca antes o cinema viu esse número de franquias interligadas ao longo de tantos anos dentro de um mosaico gigante. A cultura americana foi dominada por histórias de duas horas, bidimensionais e agora estamos consumindo conteúdo com tanta velocidade que precisamos de uma nova forma de contar essa história. Acredito que a Marvel está fazendo uma nova forma”.

 

++ Se você não sabe NADA dos filmes da Marvel, mas quer assistir Guerra Infinita, eis tudo o que você precisa saber antes de ir ao cinema.

++ Falando em quadrinhos, tem brasileiros indicados ao Prêmio Eisner – o Oscar do gênero.

++ Falando em filmes, o The Rock é o protagonista de Rampage, filme que estava no topo da bilheteria até Guerra Infinita. Será que ele ficou bravo de perder a liderança? Pelo contrário, fez um vídeo agradecendo aos fãs, parabenizando os Vingadores e ainda falou de uma parceria com Chris Pratt. É o cara mais carismático de Hollywood hoje.

++ Ingressos para Guerra Infinita. Corre! Quando for pra falar do filme de novo, não vou segurar os #Spoilers.

 

  1. Redes e Apps:

tv-globinho-programacao-infantil
Um programa de televisão infantil brasileiro produzido e exibido pela Rede Globo, entre 3 de julho de 2000 e 1 de agosto de 2015.
  1. Canais infantis

    Por anos, mais do que uma forma de entretenimento (ou alienação para os mais radicais), a televisão teve um grande propósito que justificava a sua presença em quase todos os lares brasileiros: Fazer crianças ficarem quietinhas. Quando a barulheira começava ou era dado início a uma bagunça, a TV Globinho vinha ajudar nisso. Nos períodos em que o programa não estava no ar, sobravam os canais pagos. Por isso, de maneira geral, os canais infantis costumam sempre figurar entre os mais vistos. No entanto, há uma concorrência para o cubo mágico e sua antena/cabo: Smartphones, Smart Tvs e, principalmente, o Streaming. Por um tempo, o desenvolvimento econômico brasileiro fez com que mais pessoas vissem TV a cabo. Mas, a crise e o Youtube deram início a uma queda na audiência da TV paga. Saindo um pouco daqui e pensando em EUA, a audiência de Cartoon Network, Disney Channel e Nickelodeon caiu mais de 30% de 2010 a 2017. Neste ano, em comparação ao passado, já houve uma queda de 20%. Comece a reparar: cada vez mais crianças estão vendo Youtube ou Netflix em celulares – próprios ou dos pais. É uma geração que, dificilmente, vai conhecer intervalos comerciais maiores do que poucos segundos.

 

  1. Jornalismo

    Sempre vai haver quem diga que não, mas os bastidores da notícia podem ser tão interessantes quanto a notícia em si. Até pode-se argumentar que seria um conteúdo maçante para um grande público, mas, isso também já foi dito sobre os bastidores do poder – e sabemos do sucesso de House of Cards ou, antes, The West Wing. A notícia é que o BuzzFeed e a Netflix (sim, ela, de novo) fecharam uma parceria e vão lançar uma série documental de 20 episódios sobre Jornalismo. o programa Follow This mostrará o cotidiano dos jornalistas do portal. O trailer do primeiro episódio já está aí.

 

++ O ReclameAqui lançou um app sensacional. O Detector de Corrupção usa reconhecimento facial para detectar os processos que cada político responde na justiça.

+++ Após 35 anos, o ABBA está de volta. Na última sexta, 27 de abril, o quarteto sueco se reuniu para gravar duas novas músicas.

+++ Os Simpsons se tornou a primeira série a alcançar 636 episódios na TV americana. Superaram o recorde do faroeste Gunsmoke, que ficou no ar por 20 anos.

+++ Última sobre os Vingadores. Em Hollywood existem vários serviços de ônibus que levam os turistas para conhecer a casa de celebridades. O apresentador de Talk-show James Corden decidiu inverter essa lógica e levou os protagonistas para um tour por Hollywood.

Evento vai reunir estrategistas políticos, dirigentes partidários, publicitários, jornalistas e interessados em marketing político para debater o cenário eleitoral de 2018.

A capital catarinense sedia pela primeira vez, no dia 25 de abril, o Seminário Catarinense de Marketing Político, que ocorrerá no auditório principal da FIESC. O evento é voltado para estrategistas políticos, dirigentes partidários e equipes de campanha, publicitários, jornalistas e demais interessados no tema. Promovido pelo Sinapro/SC, com apoio da FIESC, o seminário pretende mobilizar os principais atores do processo eleitoral em 2018 e fomentar o debate sobre as tendências e ferramentas do marketing tradicional e digital que irão permear o cenário político de campanha.  

Para essa primeira edição, o Sinapro/SC convidou palestrantes que são referência em estratégia eleitoral. Já estão confirmadas as presenças do ministro do TSE, Admar Gonzaga Neto, para falar sobre a legislação eleitoral, o especialista em marketing político digital Rodrigo Gadelha e o estrategista político Marcelo Vitorino. Além disso, haverá um painel com profissionais que atuam na cobertura jornalística diária de Santa Catarina. O público vai poder interagir com os participantes, criando um ambiente de troca de informações, conhecimentos e experiências.

O presidente do Sinapro/SC, Pedro Cherem, diz que o evento é uma oportunidade para que especialistas na área se atualizem sobre as principais abordagens de comunicação focadas em marketing político. “Em 2018, a disputa política por influência ganhará uma escala não vista nas campanhas de 2014. Neste ano, será possível ir além da divisão de ideologia ou demográfica e, por isso, entender como as atuais ferramentas de marketing político irão influenciar o eleitor é primordial para uma boa performance nas campanhas”, diz.   

As inscrições para o I Seminário Catarinense de Marketing Político já estão abertas, aqui. Outras informações: contato@sinaprosc.com.br

Palestrantes:

Admar Gonzaga

Foto: Flávio Tin

Ministro do Tribunal Superior Eleitoral – TSE, advogado, Membro Consultor da Comissão Especial de Direito Eleitoral do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Membro da Comissão de Juristas destinada à elaboração do Anteprojeto do Novo Código Eleitoral, Membro do Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral. E ainda livros, manuais e artigos nas áreas do Direito Eleitoral e de Direito Constitucional.

Rodrigo Gadelha

Foto: Divulgação

Com mais de 16 anos de mercado e com mais de 20 cases de sucesso na América Latina, Rodrigo Gadelha atua nas áreas de Marketing Digital, Marketing Político Digital, SocialCRM e Data Science. Criou sua própria metodologia de planejamento estratégico digital usada várias campanhas políticas presidenciais. Passou pelos maiores grupos de Comunicação como Publicis Group, Accor Services e Grupo Eugenio, participou do desenvolvimento de Campanhas e Projetos para Presidencial Brasil, Natura, Chevrolet, Unimed, Volkswagen, Sanofi, Ipiranga, Bradesco, Bayer, CVC, Pfizer entre outros.

No Marketing Político desenvolveu sua própria metodologia de Planejamento Estratégico a RG Moebius que foi usada em várias campanhas no Brasil e no mundo. Através da palestra “Do Digital ao Voto”, o CEO da RG Organic pretende focar na construção de imagem para aproveitar ao máximo do mundo digital.  Doutorando em Psicologia Social com o tema “O Eleitor Conectado exige uma Neo política. Um Marketing político baseado em DataScience”, já realizou mais de 10 campanhas eleitorais no Brasil e no mundo.

Marcelo Vitorino

Foto: Nilson Hashizumi

Marcelo Vitorino é um dos pioneiros no uso de ferramentas digitais no Brasil. Atuando como estrategista de comunicação digital, auxiliou empresas e instituições como SEBRAE, Instituto Ethos, Casas André Luiz, SENAR, PMDB, Governo de Mato Grosso, FACESP, Hospital São Camilo e FIFA, a explorarem melhor o potencial da internet.

Reconhecido como o principal estrategista digital de campanhas eleitorais, foi responsável pelas campanhas digitais Kassab 2008 (SP), Confúcio Moura 2015 (RO) e Crivella 2016 (RJ). Em 2010 coordenou a campanha digital de Orestes Quércia para o Senado, bem como a do Rodrigo Garcia para deputado federal. É professor no Centro de Inovação e Criatividade da ESPM em São Paulo e na escola de marketing digital Presença Online.

Programação

MANHÃ

08:00 – Credenciamento

09:00 – Abertura evento manhã

09: 15 – Rodrigo Gadelha: “Do digital ao voto”

10:45 – Marcelo Vitorino:  “Estratégias de comunicação para Campanhas Eleitorais 2018”

12:15 – Intervalo almoço

TARDE

14:00 – Abertura evento tarde

14:15 – Painel com Jornalistas: “Cenário em Santa Catarina”

15:45 – Ministro Admar Gonzaga: “Legislação no Marketing Político”

17h15 – Coffee de encerramento

O centenário da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (ACIF), comemorado em 2015, também será lembrado na 5ª edição do Prêmio ACIF de Jornalismo. Neste ano, a entidade irá premiar as melhores produções jornalísticas relacionadas ao desenvolvimento do comércio, da indústria e da prestação de serviços na Capital nestes últimos cem anos. Segundo o presidente da entidade, Sander DeMira, a nova temática será uma forma de resgatar um pouco da história econômica de Florianópolis. “Oportunidade de ver documentada em diferentes mídias a transformação da cidade, que há pouco era uma vila de pescadores e hoje se tornou um polo internacional de turismo e tecnologia. E a satisfação de saber que muito desse processo contou e conta com a atuação da ACIF”, afirma.

As inscrições para a premiação já estão abertas e seguem até o dia 30 de agosto. Serão quatro categorias: Impresso, Rádio, TV e Web. Os vencedores em cada categoria serão premiados com uma viagem com acompanhante para Buenos Aires, na Argentina, e o Prêmio Especial do Júri ACIF (melhor matéria inscrita, independente da categoria) recebe R$ 5 mil.

Lançado em 2011 e já consolidado junto aos veículos de comunicação da cidade, o prêmio tem por objetivo reconhecer o papel da imprensa, principalmente dos jornalistas registrados que produzem conteúdo de interesse direto da entidade e de seus associados. “Sempre parceira da ACIF nas questões em prol de Florianópolis, a imprensa é fundamental para a preservação da memória e desenvolvimento da cidade, já que ao informar também incentiva o debate. Por meio da premiação, a entidade quer destacar esse trabalho”, explica o diretor de comunicação da Associação, Gonzalo Pereira. O Prêmio ACIF de Jornalismo conta com o apoio da Associação Catarinense de Imprensa (ACI).

A inscrição deve ser feita na página do prêmio dentro do site da ACIF, onde também está disponível o regulamento completo, té o dia 30 de agosto, conforme as especificações do regulamento do prêmio – concorrem à premiação matérias publicadas entre 2 de agosto de 2014 e 30 de agosto de 2015. Os originais devem ser enviados pelos Correios ou entregues na sede da ACIF até o dia 30 de agosto de 2015. Os vencedores serão conhecidos no dia 30 de setembro.

Mais informações no site da ACIF e também pelo telefone (48) 3244-5578.

Jornalistas de todo o Brasil ganharam um tempo extra para participar da edição 2015 do Prêmio Estácio de Jornalismo. As reportagens veiculadas no país entre 11 de junho de 2014 e 10 junho de 2015, que tenham o Ensino Superior como tema central, poderão ser enviadas até o dia 22 de junho de 2015. Cada concorrente poderá inscrever até 5 (cinco) reportagens.

As reportagens poderão ser inscritas através do site www.premioestaciodejornalismo.com.br. Além de cadastrar as informações sobre as reportagens produzidas, é possível fazer o upload dos arquivos das matérias pela plataforma de inscrição online. Mas aqueles que optarem por enviar suas reportagens pelo Correio poderão fazê-lo da mesma forma. Os dois formatos de envio serão aceitos.

As inscrições pela internet só poderão ser efetuadas até 23h59min do dia 22 de junho de 2015. A partir deste horário o sistema vai bloquear qualquer tentativa de inscrição. Já a data limite de postagem ou entrega do material físico é 22 de junho de 2015, lembrando que cada reportagem inscrita pelo Correio deve ser acompanhada de uma ficha de inscrição (disponível no site do Prêmio Estácio de Jornalismo) e do arquivo digital (gravado em CD ou DVD).

Como nas edições anteriores, o Prêmio Estácio de Jornalismo irá atribuir à melhor reportagem produzida no ano sobre o ensino superior um prêmio principal. Todos os trabalhos finalistas, independentemente da categoria em que estiverem inseridos, concorrerão ao prêmio máximo, o “Grande Prêmio Estácio de Jornalismo 2015”.
Os R$ 125 mil distribuídos entre os nove vencedores serão divididos entre duas modalidades: Nacional e Regional, e estas divididas nas categorias Impresso (Jornal e Revista), Televisão, Rádio e Internet. Na modalidade Nacional, o prêmio para cada vencedor será no valor bruto de R$ 15 mil. Na modalidade Regional, o prêmio para cada vencedor será no valor bruto de R$ 10 mil. O vencedor do prêmio principal, o Grande Prêmio Estácio de Jornalismo 2015, receberá a quantia bruta de R$ 25 mil. Todos receberão certificado e troféu alusivos à premiação.

RESULTADOS

 

Os finalistas terão seus nomes divulgados em agosto e o anúncio dos vencedores será feito durante solenidade, em setembro, no Rio de Janeiro, em data e local que serão divulgados oportunamente. Só nesta data serão divulgados os nomes dos vencedores.

 

SERVIÇO

 

Inscrições prorrogadas até 22 junho de 2015

Reportagens elegíveis: Publicadas/veiculadas entre 11 de junho de 2014 e 10 junho de 2015

Website: www.premioestaciodejornalismo.com.br

Numa palestra que assisti há pouco em Brasília, ouvi uma opinião que compartilho, por entender que é esclarecedora do papel de uma assessoria.  “Assessor de comunicação cuida de reputação. Não cuida de jornalista”. Isso significa que o relacionamento com a imprensa, ainda que essencial, é uma das inúmeras competências que se espera de um assessor, cuja atuação é cada vez mais abrangente.

No dia a dia de uma assessoria de comunicação, o profissional é extremamente exigido, tendo que demonstrar habilidades tão distintas como organização, planejamento, técnica e sobretudo criatividade. Não basta mais um belo press release para atrair a atenção da imprensa – e do público – para uma iniciativa qualquer, seja um evento, produto ou serviço. Com a pulverização dos canais, você precisa pensar em estratégias específicas para cada um deles, o que não raro envolve propor ações de impacto, encontros de relacionamento, eventos, dentre muitas outras ações.

Por outro lado, são cada vez mais comuns situações de crise, em que o assessor de comunicação tem papel estratégico, com atribuições que não se limitam ao envio da posição de uma organização aos jornalistas e incluem entender o problema, participar da construção do discurso, orientar porta-vozes, cuidar do público interno e, claro, conversar com a imprensa.

Atualização constante, adaptação às tecnologias e ferramentas disponíveis, capacidade analítica e de projeção de cenários, planejamento, criatividade, habilidade para entender as demandas e de estabelecer relacionamentos são atributos indispensáveis para quem atua no setor. A era do assessor que ficava sentado esperando o telefone tocar, definitivamente já era.

 

Sobre o autor:

DéborahDéborah Almada (@deborahalmada) é jornalista e sócia-diretora da All Press Comunicação.  

A Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (ACIF) lança, nesta terça-feira (10), mais uma edição do tradicional Prêmio ACIF de Jornalismo. Nesta quarta edição, a entidade vai premiar as melhores produções jornalísticas relacionadas aos temas Negócios e/ou Associativismo e Participação em Florianópolis em cinco categorias: Impresso, Rádio, TV, Web e Fotojornalismo. Os vencedores em cada categoria serão premiados com uma viagem com acompanhante para Porto Seguro, na Bahia, e o Prêmio Especial do Júri ACIF (melhor matéria inscrita, independente da categoria) recebe R$ 5 mil.

Lançado em 2011 e já consolidado junto aos veículos de comunicação da cidade, o prêmio tem por objetivo reconhecer o papel da imprensa, principalmente dos jornalistas registrados que produzem conteúdo de interesse direto da entidade e de seus associados. “Por meio desta premiação, a ACIF quer incentivar a produção de conteúdos de interesse direto do empresariado da Capital, até como forma de qualificar o setor produtivo de Florianópolis”, explica o presidente da entidade, Sander DeMira. Segundo DeMira, “o prêmio também valoriza e reforça a parceria da ACIF com a imprensa local, que sempre abriu espaço para as causas da entidade”, destaca. O diretor de comunicação da Associação, Gonzalo Pereira complementa. “É desejo da ACIF, com o prêmio de jornalismo, reconhecer, valorizar e dar destaque ao trabalho desempenhado pelos jornalistas, que é de fundamental importância para a democratização do acesso à informação. O exercício pleno da cidadania, sempre defendido pela ACIF ao longo de sua quase centenária trajetória, só é possível onde há imprensa livre e o trabalho responsável de jornalistas capacitados”.

A inscrição deve ser feita no site www.acif.org.br/premio-acif-de-jornalismo até o dia 8 de agosto, conforme as especificações do regulamento do prêmio – concorrem à premiação matérias publicadas entre maio de 2013 e 1º de agosto de 2014. Os originais devem ser enviados pelos Correios ou entregues na sede da ACIF até o dia 1º de agosto de 2014. Já a comissão julgadora será formada por profissionais de comunicação, por profissionais da área de administração e empresários de atuação relevante no estado de SC, além de um representante da ACIF. Os jurados levarão em consideração os seguintes critérios: contribuição ao modelo empresarial e ao setor produtivo de Florianópolis; relevância do tema, abordagem, profundidade e qualidade (técnica, precisão, clareza, didatismo, linguagem, correção e criatividade).

Os vencedores serão conhecidos no dia 17 de setembro em evento em parceria com a Associação Catarinense de Imprensa (ACI). “Mais uma vez, somos parceiros da ACIF nesta premiação que é bastante representativa para a categoria”, ressalta Ademir Arnon presidente da ACI.

Mais informações e regulamento pelo www.acif.org.br ou pelo (48) 3244-5578.

 

Luana Rech

(48) 3028-0183 / (48) 3223-3078/ (48) 9971-1107

(48) 9116-3888 (emergências ou eventos)
Skype: rech_luana
www.allpresscom.com.br.bh-65.webhostbox.net